Carbone, João Baptista

Oria, reino de Nápoles, 2 setembro 1694 — Lisboa, 5 abril 1750

Palavras-chave: longitude, eclipses, D. João V, Royal Society, diplomacia.

São incertas as informações de que dispomos sobre as origens de Giovanni Battista Carbone (chamado em Portugal João Baptista Carbone), matemático régio e astrónomo de D. João V, praticante distinto da astronomia geográfica. As suas observações de eclipses dos satélites de Júpiter, do Sol e da Lua, contribuíram para o conhecimento rigoroso da longitude de diferentes pontos do globo, melhorando assim o conhecimento da geografia Terrestre.

Segundo Jaime Cortesão teve origem fidalga no reino de Nápoles. Porém, diversas fontes—incluindo a documentação manuscrita produzida pela Campanhia de Jesus—atestam o seu nascimento em Oria, pertencente na época à província de Otranto, no sul da península itálica, a 2 de Setembro de 1694. Segundo o seu biógrafo oficial, o secretário e fidalgo da corte portuguesa Fernando Antonio da Costa de Barboza, ainda em tenra idade terá mudado para Bari onde aprendeu as primeiras letras. Sobre o momento da entrada de Carbone na Campanhia os catálogos trienais dos jesuítas são muito claros: 2 de Dezembro de 1709. São ainda os catálogos que documentam o percurso como aluno e depois como professor em vários colégios do reino de Nápoles.

Após o noviciado estudou Retórica entre 1711 e 1712 no Colégio Máximo, e, de 1712 a 1714, ensinou Gramática e Religião Católica no Colégio de Chieti (Theatinum, na designação latina). Em Chieti assumiu o cargo de Prefeito da Congregação dos Alunos Inferiores. No período entre 1714 e 1717 regressou ao Colégio Máximo de Nápoles cursando Filosofia. Deve ter frequentado nestes anos aulas de matemática uma vez que, nos currículos jesuítas, a matemática se encontrava inserida no programa de Filosofia; conforme fora determinado no principal documento normativo jesuíta para o ensino, a Ratio studiorum. Em Lecce ensinou Humanidades até 1719 ingressando então no Colégio dos Nobres, onde permaneceu cerca de um ano, dedicado ao estudo da Teologia. 

Domenico Capacci, que viria a acompanhar Carbone numa missão científica na Província Lusitana, surge no catálogo do Colégio dos Nobres para 1720 na posição subsequente da lista. Ambos tinham a mesma idade, ambos tinha completado 3 anos de Filosofia e ambos tinham quatro anos de docência nas Humanidades. Atendendo a esta fonte parece pois natural que, dadas as afinidades, o Geral da Companhia de Jesus Michelangelo Tamburini (1648–1730) tenha decidido juntá-los na mesma missão. Entre 1720 e a partida para a Corte de Lisboa Giovanni Battista Carbone voltou a estudar Filosofia no Colégio Máximo, onde se especializou em Lógica. O Colégio Máximo de Nápoles desenvolveu uma peculiar tradição matemática e astronómica cuja reputação deve, de algum modo, ter motivado a escolha de Carbone e Capacci. 

Em 1722 respondendo a uma recomendação do Conselho Ultramarino D. João V solicitou a Tamburini dois missionários, competentes nas matemáticas, para trabalharem na cartografia do Brasil. Necessidades prementes da administração do território da colónia mormente a da definição precisa dos limites entre as capitanias, assim como um melhor conhecimento das regiões mineiras, levou à chamada dos dois peritos da Itália. Antes da jornada para Lisboa Carbone e Capacci seriam recebidos em Roma, no final de Maio de 1722, pelo matemático jesuíta Manuel de Campos (1681–1758) e pelo embaixador português, o 4º Conde das Galveias. Desde logo a atividade astronómica de Carbone foi enquadrada e apoiada pela diplomacia portuguesa, contexto em que se haveria de desenvolver até à sua morte em 1750. De acordo com a correspondência que Manuel de Campos manteve com Luís Gonzaga (1666–1747) em Lisboa, o embaixador ofereceu aos dois religiosos toda a ajuda possível no cumprimento da missão que lhes tinha sido confiada. E, de facto, a Coroa Portuguesa suportou o seu apetrechamento ainda na península Itálica com um bom conjunto de instrumentos e livros matemáticos. Era um reportório de instrumentos e livros, vários de autores jesuítas, claramente adaptado à missão cartográfica a que estavam destinados, refletindo simultaneamente a tradição matemática da Companhia.

Na sua correspondência Manuel de Campos tecia comentários muito positivos sobre a formação matemática de Carbone e Capacci mas argumentava que ambos necessitavam de mais prática, certamente aludindo à necessidade de um maior domínio dos procedimentos astronómicos envolvidos nas determinações geográficas e cartográficas. Após várias visitas em Roma, a 27 de Julho de 1722, ambos acompanharam Francesco Bianchini (1662–1729), astrónomo e membro proeminente da corte papal, numa das suas observações dos satélites de Júpiter. No entanto, as necessidades de formação no que diz respeito às observações astronómicas seriam sobretudo colmatadas no Colégio Romano, a escola de elite e a referência modelar do sistema de ensino jesuíta. Depois do papel fulcral do germânico Christophorus Clavius (1538–1612) no estabelecimento de uma tradição de ensino matemático em toda a rede de colégios da Companhia, a própria cátedra de matemática do Colégio Romano seria ocupada por professores com diversas competências e inclinações. Aparentemente, a existência formal da Academia Matemática do Colégio não sobreviveu muito tempo à morte do seu fundador e principal impulsionador. Segundo Ugo Baldini, Orazio Borgondio (1675–1740) foi o professor que, embora sem o conseguir completamente, restaurou definitivamente o vigor do ensino matemático no século XVIII depois do declínio do nível técnico verificado no final do século anterior. Borgondio, que ocupou a cátedra de matemática entre 1712 e 1740, é sobretudo conhecido como mestre e antecessor do notável filósofo natural Ruggero Boscovich (1711–1787). Mas Borgondio teve muitos outros discípulos e entre eles, ao que tudo indica, Giovanni Battista Carbone e Domenico Capacci.

Carbone e Capacci chegaram a Lisboa em Setembro de 1722 tendo sido bem acolhidos na corte e recebidos em audiência pelo rei. Até ao fim da década de 1720 Carbone tornou-se um cortesão influente, matemático régio e preceptor de matemática do príncipe D. José (futuro rei D. José I) e de italiano e geografia de D. Bárbara de Bragança (futura rainha de Espanha). Esse foi também um período de intensa atividade no domínio da astronomia geográfica, onde procurou determinar as coordenadas do reino com um elevado rigor, usando métodos astronómicos e os melhores instrumentos disponíveis na época. Efetivamente, com o suporte da pequena mas fiel rede de diplomatas e agentes da coroa foram encomendados e adquiridos alguns dos melhores instrumentos matemáticos e óticos disponíveis em Londres, Paris e Roma. Entre outros foram comprados telescópios de Giuseppe Campani (1635–1715), pêndulas de George Graham (1673–1751), um micrómetro de nova invenção manufacturado por Étienne Jean Lefebvre (m. 1753), e até um quadrante astronómico com um dispositivo imaginado por Orazio Borgondio, que permitia leituras angulares até ao segundo de grau. Carbone manteve correspondência regular com astrónomos influentes da época, com os quais trocou informação técnica e observações, nomeadamente com Francesco Bianchini, em Roma, Antoine-François Laval (1664–1728), em Toulon, e Samuel Molyneux (1689–1728), em Londres. 

Seguindo ordens de D. João V dois observatórios, ou estações de observação, foram criados em Lisboa por Carbone e Capacci: um no palácio Real de Ribeira, outra no Colégio de Santo Antão-o-Novo. As datas da fundação são incertas. Provavelmente as primeiras observações não usaram estruturas permanentes e, como notou Roger Hahn, a palavra “observatório” foi usada com ambiguidade durante o Iluminismo, por vezes referindo-se apenas a um local onde instrumentos portáteis podiam ser instalados. Por exemplo, em Maio de 1724 foi observado em Lisboa um eclipse solar. Carbone, D. João V e elementos do seu entourage observaram o fenómeno nos limites da cidade, enquanto Capacci se deslocou a Sintra para registar o eclipse, visível no ocidente da península Ibérica ao pôr-do-Sol.

Indiciando projetos mais ambiciosos para a astronomia em Lisboa, no Verão de 1724 foi lançado um inquérito diplomático com o objetivo de obter descrições, plantas e desenhos dos principais observatórios astronómicos europeus, a que os diplomatas portugueses responderam diligentemente. Todavia, um observatório permanente, ou Especula, composto por várias casas de madeira e colocado sob a responsabilidade de Carbone, só seria edificado por volta de 1739, num dos terraços da igreja do Colégio de Santo Antão. 

A participação eficiente de Carbone na rede diplomática portuguesa—a sua própria rede de correspondentes, onde se incluíam as importantes redes epistolares da Companhia de Jesus—resultou na publicação das observações realizadas em Lisboa nos mais importantes periódicos científicos: Philosophical TransactionsHistoire de l’Académie royale des sciences avec les mémoires de mathématique et de physiqueActa EruditorumCommentarii Academiae Scientiarum Imperialis Petropolitanae. James Bradley (1693–1762), professor de astronomia em Oxford e mais tarde Astrónomo Real, foi um dos observadores que usou os dados recolhidos em Lisboa para determinar a longitude de outros pontos da Terra. No caso de Bradley foram as longitudes de Nova Iorque e Londres as calculadas por comparação com os tempos de fenómenos astronómicos observados simultaneamente em Lisboa—resultado que seria publicado nas Philosophical Transactions. Culminando uma década de grande atividade, em 6 de Novembro de 1729 carbone foi eleito Fellow da Royal Society, tornando-se assim no primeiro jesuíta eleito para a agremiação Londrina.

Em Novembro de 1729 Domenico Capacci e Diogo Soares (1684–1748) partiram para o Brasil, onde chegariam no início do ano seguinte, desenvolvendo aí uma ativa missão cartográfica, na costa e no sertão da região meridional. Do seu labor, por vezes em condições climáticas particularmente adversas, resultaram dezenas de cartas geográficas da América Portuguesa e a determinação de centenas de latitudes—sendo que as longitudes raramente foram registadas explicitamente.

João Baptista Carbone ficou na corte, como assistente do rei, atendendo a numerosas solicitações e encargos da administração do Estado. Entre as várias tarefas de que foi incumbido estiveram os pagamentos das obras do convento-palácio-basílica de Mafra, correspondência diversa com vários pontos do Império, da América Portuguesa ao Oriente, e, a partir de 1736, a correspondência diplomática com Roma.

No último ano de vida João Baptista Carbone foi reitor do Colégio de Santo Antão-o-Novo, responsabilidade que acumulou com os «infinitos negócios» de que estava encarregue na corte. A nomeação para o reitorado desagradou-lhe por já se encontrar imerso em tantos papéis e afazeres, embora tenha apreciado a decisão porque, deste modo, era considerado e tratado como português e não como estrangeiro. Carbone morreu a 5 de abril de 1750, cerca de quatro meses antes da morte de D. João V. Ficou sepultado na igreja do Colégio de Santo Antão—Colégio que fora a sua residência desde 1722—em cerimónias fúnebres muito concorridas pela nobreza da corte, por religiosos de todas as ordens e pelo povo. O acontecimento foi relatado em várias páginas na Gazeta de Lisboa, que habitualmente não dedicava muito espaço aos acontecimentos nacionais, e uma versão abreviada seria publicada no Mercure de France. Como defendeu Daryl Alden, João Baptista Carbone tinha-se tornado no mais respeitado e influente jesuíta do reino.

Luís Tirapicos

Arquivos

Roma, Biblioteca Valliceliana

Fundo Bianchini

Ms. U 16: 348-356, 359-387, 400-418

Ms. U 21: 109-114

Ms. S 82: 97-99, 102-104, 111-113, 135, 137-138, 152-154, 161-165, 169-171, 191-197, 200-202, 204-207, 252-259

Ms. U 23: 153-155, 157-161, 163r, 169-180, 182-187r, 202-208

Ms. U 24: 48r, 140-148, 150-153r, 277r, 280r, 282r

Ms. U 43: 78, 80-83r

Lisboa, Arquivo Nacional da Torre do Tombo

Cartório dos Jesuítas 

Maço 78

Lisboa, Biblioteca da Ajuda

Ms. 49-VIII-39

Ms. 49-VIII-40

Ms. 49-VIII-41

Ms. 49-IX-1

Ms. 51-X-31

Ms. 51-X-32

Ms. 52-XI-7, nºs 68-70 

Ms. 54-X-30, nº 269

Obras 

Carbone, J. B., Capassi, D. (s/d) Observatio Lunaris Eclipsis Habita Ulyssipone in Palatio Régio Die I. Novembris 1724. A’ PP. Joanne Baptista Carbone, et Dominico Capasso Soc. Jesu.

Carbone, J. B. (s/d) Observationes astronomicae habitae Ulissypone [observações de 1725 e 1726].

Bibliografia sobre o biografado

Almeida, André Ferrand de. A formação do espaço brasileiro e o projecto do novo Atlas da América Portuguesa. Lisboa: Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses, 2001.

Cardoso, Bernardino Ferreira. O P.e João Baptista Carbone, S.J. na Corte do Magnânimo – Subsídios para uma história diplomática no reinado de D. João V. Dissertação de licenciatura, Universidade de Lisboa, 1956.

Carvalho, Rómulo de. A Astronomia em Portugal no Século XVIII. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1985.

Tirapicos, Luís. “Ciência e diplomacia na corte de D. João V: a ação de João Baptista Carbone, 1722–1750.” Dissertação de doutoramento, Universidade de Lisboa, 2017.

Tirapicos, Luís. “Instruments and Astronomical Observations at the Jesuit College of Santo Antão-o-Novo, 1722-1759.”In History of Astronomy in Portugal. Institutions, Theories, Practices, ed. Luís Saraiva, 65–84. Porto: Sociedade Portuguesa de Astronomia, 2014.