Tomás, Álvaro (Alvarus Thomas)

Lisboa, ca. 1489 — Paris, 1521

Palavras-chave: filosofia natural, medicina, tradição calculatória, Collège de Cocqueret, Universidade de Paris. 

Álvaro Tomás nasceu em Lisboa e faleceu na cidade de Paris, onde viveu muito provavelmente a partir de 1500. 

Destacou-se pelos seus trabalhos no âmbito da ciência do movimento; desenvolveu um estudo sobre as propriedades do movimento uniformemente acelerado; apresentou uma análise complexa da teoria das proporções; e alcançou resultados relevantes no estudo das séries infinitas. O prestígio que lhe conferiram estes trabalhos científicos tornaram-no uma figura marcante da tradição calculatória europeia, de tal forma que alguns historiadores o consideraram até como um precursor de Pedro Nunes e de Galileu Galilei.. 

Muito escassas são as informações sobre a sua biografia. A primeira notícia data de 1509, ano em que Tomás surge como professor de artes no Collège de Cocqueret (ou Cocquerett) da Universidade de Paris. Em 1513, Tomás estava ainda a ensinar Filosofia Natural no mesmo colégio universitário. Como era hábito àépoca, muitos estudantes inscritos nas Faculdades de Medicina, Teologia e Direito trabalhavam como professores nos colégios parisienses para conseguirem pagar as suas propinas universitárias. Entre 1515 e 1518, licenciou-se primeiro em Medicina e, logo depois, recebeu o título de Doutor. Em 1518, começou a ensinar na Faculdade de Medicina, onde foi nomeado professor, e ficou com este cargo até à data da sua morte, em 1521. 

O ambiente intelectual de Paris e da sua universidade no início do século XVI era extremamente estimulante Na altura em que Álvaro Tomás chegou á universidade, estava já bem enraizada uma forte tradição de estudantes ibéricos. Entre outros, contam-se Francisco de Melo, Pedro Margalho, Pedro Ciruelo e Juan de Celaya . [IMdSPA2] 

Publicado em Paris, em 1509, o Liber de triplici motu é a única obra conhecida de autoria de Álvaro Tomás. Trata-se de uma obra sofisticada e complexa, sobretudo escrita por um homem com pouco mais de vinte anos. O Liber de triplici motu revela uma evidente filiação à escola dos calculadores do Merton College, em Oxford – e principalmente à obra de Richard Swineshead (Suiseth, fl. 1340-1354) –, integrada nos trabalhos científicos da tradição medieval parisiense representada por Nicole Oresme .Não obstante a complexidade técnica do Liber de triplici motu, a obra teve uma larga divulgação e era bem conhecida pelos intelectuais do seu tempo. 

Luana Giurgevich 

Obras

Álvaro Tomás, Liber de triplici motu proportionibus annexis magistri Alvari Thomae Ulixbonensis philosophicas Suiseth calculationes ex parte declarans, Impressum Parrisiis, per Guillermum Anabat, 1509.

Bibliografia relevante sobre o biografado

Carlos Correia de Sá, “A soma de séries na obra De triplici Motu de Álvaro Tomás,” in Encontro Luso-Brasileiro de História da Matemática (2004), disponível online, último acesso a 26 de Janeiro de 2017: http://chcul.fc.ul.pt/textos/Sa_2004-Tomas.pdf.

Edith Sylla, “Alvarus Thomas and the role of Logic and Calculations in sixteenth century Natural Philosophy,” in Studies in Medieval Natural Philosophy, ed. Stefano Caroti (Firenze: Leo S. Olschki, 1989), 257-298. 

Edith Sylla, “Mathematics in the Liber de triplici motu of Alvarus Thomas of Lisbon,” in The practice of Mathematics in Portugal (Coimbra: 2004), 109-161.

Francisco Gama Caeiro, “Tomás, Álvaro,” in Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, vol. 17 (Lisboa: Editorial Verbo, 1963-1985), 1643.

Francisco Gomes Teixeira, “Alvaro Tomaz e Gaspar Nicolas, aritmeticos,” in História das Matemáticas em Portugal (Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa, 1934), 95-97.

Heinrich Wieleitner, “Zur Geschichte der unendlichen Reihe im Christlichen Mittelalter,” Bibliotheca Mathematica, Dritte Folge 14 (1914) 150-168.

Henrique Leitão, “Notes on the life and work of Álvaro Tomás,” Bulletin do CIM [Centro Internacional de Matemática] 9 (2000) 10-15.

Henrique Leitão, “Álvaro Tomás, calculator português em Paris,” Ciência em Portugal: Personagens e Episódios, disponível online, último acesso a 26 de Janeiro de 2017: http://www.instituto-camoes.pt/cvc/ciencia/e44.html. 

Julio Rey Pastor, Los Matematicos Españoles del Siglo XVI (Toledo: Biblioteca Scientia, 1926), 82-89.

Luís de Matos, Les Portugais à l’Université de Paris entre 1500 et 1550 (Coimbra: Universidade de Coimbra, 1950).

Maria Elfrida Ralha e Maria Fernanda Estrada, “Os conceitos matemáticos de número irracional e de razão composta, segundo Álvaro Tomás, no seu Liber de Triplici Motu,” in 4.º Encontro Nacional de História das Ciências e da Tecnologia: Construir Ciência, Construir o Mundo, 12-14 de Junho de 2014, disponível online, último acesso a 26 de Janeiro de 2017: http: //hdl.handle.net/1822/42845. 

Pascal Brioist e Jean-Jacques Brioist, “Harriot, lecteur d’Alvarus Thomas et de Niccolo Tartaglia,” in Mathématiques et théories du mouvement. XIVe-XVIe siècles, ed. Joel Biard e Sabine Rommevaux (Villeneuve d’Ascq: Presse Universitaire du Septentrion, 2008), 147-172.

Pierre Duhem, Études sur Léonard de Vinci, vol. 3 (Paris: Hermann et Fils, 1906-1913), 532-543.

Stefan Paul Trzeciok, Alvarus Thomas und sein Liber de triplici motu, 2 vols. (Berlin: Max Planck Institute for the History of Science-Edition Open Access: 2016) [Sources 7].

William Wallace, “Thomaz, Alvaro,” in Dictionary of Scientific Biography, ed. Charles Coulston Gillispie, vol. 13 (New York: Charles Scribner’s Sons, 1970-1980), 350.