Ferreira, Alexandre Rodrigues

Baía, 27 setembro 1756 – Lisboa, 23 abril 1815

Palavras-chave: Botânica, Jardim Botânico, Viagens Filosóficas, Brasil.

Nasceu na cidade da Baía de Todos os Santos a 27 de setembro de 1756, filho de Manuel Rodrigues Ferreira. Por vontade de seu pai, seguiu a vida religiosa e a 20 de setembro de 1768 recebeu as primeiras Ordens Clericais. Por ter revelado excecional aptidão para os estudos, seguiu para Portugal para frequentar a Universidade de Coimbra, porém chegou em plena Reforma Pombalina e depois da frequência de um ano em 1770, só pôde retomar os estudos a partir de finais de 1773. Aluno de Domenico Vandelli, foi nomeado demonstrador nas aulas de História Natural ainda em 1778. No mesmo ano, designado Naturalista do Real Gabinete de História Natural e Jardim Botânico da Ajuda, mudou-se para a Corte a 15 de Julho de 1778 e aguardou ordens relativas à viagem do Ministro de Estado Martinho de Melo e Castro, então Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos para empreender uma viagem filosófica, entendida como essencial para se ter um maior conhecimento geográfico e científico da região, especialmente desde que os estudos de Guillaume Delisle demonstraram as falsificações na cartografia portuguesa, que colocavam o estuário do rio da Prata dentro do hemisfério luso definido pelo Tratado de Tordesilhas, com consequências na ocupação dos territórios de Mato-Grosso e da bacia Amazónica. [FMR1] Porém, sobretudo por motivos de guerra, a data da partida foi sendo adiada. Enquanto esperava pela partida, Ferreira voltou a Coimbra para obter o grau de Doutor em Filosofia Natural em 1779. Neste período, a pedido de Vandelli, explorou as Minas de Buarcos com João da Silva Feijó (1778); parte do Ribatejo, de novo com Feijó e Joaquim José da Silva (1781); e a região de Setúbal (1783), com Júlio Mattiazi e José Custódio da Silva. Em 22 de maio de 1780, o duque de Lafões nomeou-o Correspondente da Academia das Ciências de Lisboa.

Finalmente, em 14 de julho 1783, partiu de Lisboa, para empreender uma viagem filosófica pelas capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá com o objetivo de recolher materiais dos três reinos da natureza—animal, vegetal e mineral—, acompanhado do jardineiro naturalista Agostinho Joaquim do Cabo e dos riscadores, José Joaquim Freire e Joaquim José Codina, que iria durar durante mais de nove anos. Chegados em setembro desse ano, iniciam um périplo de vários anos pelo Pará, seguindo para a capitania de São José do Rio Negro, deslocando-se seguindo o curso dos rios. A partir de 1787, percorreram de forma intensa a região amazónica e o Mato Grosso, recolhendo, acondicionando e remetendo para o Real Museu da Ajuda, em Lisboa, milhares de exemplares vegetais, animais, minerais e etnográficos, acompanhados de centenas de memórias manuscritas e desenhos. No final da viagem, fica nove meses na cidade do Pará à espera de partir para Lisboa, tempo durante o qual o Governador e Capitão General do Pará o nomeia para Vogal com a função de assistir às Juntas de Justiça e Fazenda. Durante esse período acaba por se casar com D. Germana Pereira de Queiroz Ferreira em 16 de setembro de 1792, filha do Capitão Luiz Pereira da Cunha, responsável pelo transporte das coleções de Alexandre Rodrigues Ferreira para a Corte e que nada recebeu pelo seu trabalho e despesa.

Volvida quase uma década, Rodrigues Ferreira e José Joaquim Freire regressaram para Lisboa em setembro de 1792. Os resultados da expedição foram 230 manuscritos, 8 cartas geográficas, 26 estampas e desenhos, 12 chapas de cobre gravadas, 2 volumes de aguarelas, armas e objetos indígenas e tudo aquilo que conseguiu ser coletado e transportado por vias fluviais e terrestres até Belém de depois atravessar o Atlântico até aos seus destinos: Real Jardim Botânico da Ajuda e o Real Gabinete de História Natural. Somam-se a este espólio inventariado pelo cientista Carlos França, outros recentemente descobertos: a coleção de estampas do Conselho Federal de Cultura (Museu Nacional do Rio de Janeiro) e a coleção de estampas Brummer. As estampas revelam dados da geografia natural e geografia humana, de várias embarcações civis e militares, de técnicas agrícolas tradicionais do período pré-industrial, de antropologia—raças e etnias—e de técnicas de construção e técnicas alimentares, e zoologia (aves e mamíferos) e botânica. A riqueza dos minerais e da flora estimularam o seu intelectual, mas não é menos significativo o legado que nos deixou sobre as doenças que padeciam os indígenas e os visitantes que respiravam o “ar doentio” das terras encharcadas em água, como por exemplo em Mato Grosso. A sua preparação em ciências médicas para aliviar os males da tripulação, permitiram-lhe fazer esta investigação, que se revelou preciosa para a História da Medicina. Neste âmbito, importa mencionar o legado que nos chegou das boticas de Alexandre Rodrigues Ferreira—duas listas com todos os compostos que este requisitou em Barcelos em 5 de fevereiro de 1788 para a sua expedição ao Rio da Madeira e a segunda data de 21 de Maio de 1790—“Relação de tudo quanto se faz preciso apromptar para a Expedição Philozofica de Villa Bella para Cuyabá”.

Em 1793, instalado em Lisboa, em mercê dos serviços prestados, foi nomeado Oficial da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos, dedicando-se, durante um curto período de tempo, à administração metropolitana. A 25 de julho de 1794 foi condecorado com a Ordem de Cristo. A 7 de setembro de 1794, na sequência do falecimento de Júlio Matiazzi, foi nomeado Vice-Diretor do Real Gabinete de História Natural e do Real Jardim Botânico da Ajuda, com tutela ainda da tesouraria do complexo e seus estabelecimentos—gabinete da biblioteca, também conhecido como do Desenho, casa do laboratório, dita das preparações, armazéns, etc., sendo sucessivamente reconduzido nestas funções até 1811. A partir de 1794, dedicou-se à seleção e organização das coleções da Ajuda, em particular do material produzido e recolhido durante a viagem ao Brasil, com o objetivo de compor uma História Natural do Pará, em vários volumes, que deixaria inacabada. Foi ainda nomeado administrador das Reais Quintas de Queluz, Caxias, e Bemposta por decreto de 25 de julho de 1794, tendo desempenhado um papel fundamental na conclusão da cascata com esculturas de Joaquim Machado de Castro. Nesse ano foi também nomeado Deputado da Real Junta do Comércio por decreto de 23 de dezembro de 1795. 

Alexandre Rodrigues Ferreira revelou um verdadeiro espírito científico nas observações feitas ao natural que recolheu no Brasil, assim como na preocupação epistemológica de distinguir o conhecimento científico do conhecimento em geral, nunca deixando de privilegiar o conhecimento que engrandecia o reino. 

Estando doente desde cerca de 1807, faleceu em Lisboa, em 23 de abril de 1815.

Ana Duarte Rodrigues e David Felismino,
NOVA FCSH

Arquivos

Academia das Ciências de Lisboa, Portugal

Arquivo Nacional Torre do Tombo, Lisboa, Portugal

Biblioteca Nacional–Divisão de Obras Raras e Publicações, Rio de Janeiro, Brasil

Museu Nacional de História Natural, Lisboa, Portugal

Museu Antropológico da Universidade de Coimbra

Obras

Abuso da Conchyologia em Lisboa, para servir de introdução à sua Theologia dos Vermes

Exame da Planta Medicinal, que como nova aplica, e vende o Licenciado Antonio Francisco da Costa, cirurgião Mór do Regimento de Cavalaria de Alcantara.

Alexandre Rodrigues Ferreira. Catálogo de Manuscritos e Bibliografia, Biblioteca Nacional. Divisão de obras raras e publicações, 1952.

Bibliografia sobre o biografado

Sá, Manuel José Maria da Costa e. Elogio do Doutor Alexandre Rodrigues Ferreira Lisboa: Academia Real das Sciencias, 1818.

Lima, Américo Pires de. O Doutor Alexandre Rodrigues Ferreira. Documentos Coligidos e Prefaciados. Agência Geral do Ultramar. Divisão de Publicações e Biblioteca, 1953.

França, Carlos. Doutor Alexandre Rodrigues Ferreira (1756–1815): História de uma missão scientífica ao Brasil no século XVIII. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1922.

Soares, José Paulo Monteiro e Cristina Ferrão, eds. Viagem ao Brasil de Alexandre Rodrigues Ferreira: Colecção Etnográfica. Rio de Janeiro: Kapa, 2005

Matos, Manuel Cadafaz de. No segundo centenário da viagem filosófica, de Alexandre Rodrigues Ferreira, por terras do Brasil. Lisboa: Távola Redonda, 1993.

Cunha, Osvaldo Rodrigues da. O naturalista Alexandre Rodrigues Ferreira: Uma análise comparativa de sua viagem filosófica (1783-1793) pela Amazônia e Mato Grosso com a de outros naturalistas posteriores. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1991.

Memória da Amazónia: Alexandre Rodrigues Ferreira e a viagem philosophica pelas capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuyabá: 1783-1792. Coimbra: M.L.A. da Univ., 1991.

Holanda, Francisco de

Lisboa, ca. 1517 — Lisboa, 19 junho 1585

Palavras-chave: Humanista, urbanista, tratadista, teoria da ideia.

Francisco de Holanda nasceu em Lisboa em 1517. Foi o segundo filho de António de Holanda (c. 1480-1556), pintor da corte de D. Manuel I (1469-1521) e de D. João III (1502-1557), possivelmente originário dos Países Baixos (como o nome indica), e especialmente dedicado a iluminura heráldica. A partir de 1536 António de Holanda recebe a mercê de rei de armas e escrivão da nobreza, o que garantia algum bem-estar e segurança à família e sobretudo acesso à vida na corte e a privilégios concedidos pela família real. Francisco de Holanda cresce, assim, na corte e torna-se moço da câmara do Infante D. Afonso (1509-1540), filho de D. Manuel I, escudeiro-fidalgo de D. João III em 1541, cavaleiro-fidalgo em 1556 e, finalmente, recebe o hábito de cavaleiro da Ordem de Cristo. Casa-se em 1560 com a aia da rainha D. Catarina (1507-1578). Francisco de Holanda tinha possivelmente oito irmãos que beneficiaram igualmente do estatuto do seu pai na corte.

Neste contexto, Francisco de Holanda aprendeu, desde a infância, a arte da pintura com o seu pai e, na qualidade de moço fidalgo do Infante D. Afonso, residiu no seu Paço em Évora onde o humanista André de Resende (1498-1573) protagonizava um círculo renascentista em Portugal. Aos vinte anos, parte para Roma com o séquito da embaixada de D. Pedro Mascarenhas (1484-1555) para aí completar os seus estudos de pintura. Estudou em Roma entre Setembro de 1538 e 15 de Março de 1540, com o apoio financeiro de D. João III. No contexto do Pleno Renascimento Italiano foi introduzido por Blosio Palladio (-1550) e Lattanzio Tolomei, amigos de longa data do antigo embaixador de Portugal em Roma – D. Miguel da Silva (1480-1556) – no círculo da poetisa Vitoria Colonna (1492-1547), no qual participavam igualmente Miguel Ângelo (1475-1564), Parmigiano (1503-1540) e Giambologna (1529-1608).  

Durante a sua estadia em Roma, Francisco de Holanda desenhou profusamente as obras que viu, tal como D. João III e o Infante D. Luís (1506-1555) desejavam, o que resultou no livro de aparato denominado Antigualhas, conservado na Biblioteca do Escorial (28-I-20). As Antigualhas, para além do valor documental que consubstanciam, iluminam o quadro teórico de Francisco de Holanda e o seu esforço para estabelecer uma taxonomia das esculturas antigas – as figuras pedestres, em movimento, a correr ou a combater, sedentes ou reclinadas. 

Paralelamente ao desenvolvimento da teoria da ideia por inspiração divina, que comunga com Miguel Ângelo, Il Divino, Francisco de Holanda intelectualiza a antiqua novitas – um grupo de normas sistematicamente observadas nas obras antigas, cuja aprendizagem e aplicação garantiriam uma qualidade média patente uniformemente. Por estas razões, a persona de Francisco de Holanda para além de pintor e arquiteto, é também um construtor de conhecimento. 

Enquanto a aprendizagem da norma garantia a qualidade da arte em termos gerais, os artistas de génio procuravam atingir o nível do Criador, a Ideia. O desenho passou a ser entendido como a incarnação da ideia invisível e incorpórea, fonte de todas as artes e ciências e por isso “tudo o que se faz neste mundo é desenhar”, no sentido de que desenhar (esboçar ideias) é o máximo que se pode ambicionar fazer neste mundo.

Holanda foi o primeiro artista da Península Ibérica a corresponder ao ideal de artista do Renascimento Italiano cujo trabalho assenta no desenho e na conceção da obra, e a defender o valor da ideia, da arte como “coisa mental” e, por isso mesmo, exclusivamente acessível aos homens livres, aos fidalgos, distanciando assim a pintura do trabalho manual do artesão. Por isso mesmo, nunca participou ou colaborou com qualquer associação ou grémio de oficiais mecânicos e assumiu a denominação de arquiteto, apesar de nunca ter dirigido uma obra arquitetónica – limitou-se a fornecer os desenhos para a Fortaleza de Mazagão – para reforçar a diferença com o mestre pedreiro, o riscador ou mesmo engenheiro militar. Para Francisco de Holanda existia uma diferença imensa entre aquele que tem a ideia e aquele que executa. 

Francisco de Holanda destacou-se sobretudo no campo teórico, sendo o único nome de um artista português do Renascimento com prestígio internacional como tratadista. Escreveu quatro tratados paradigmáticos que revelam o seu pensamento crítico sobre pintura, desenho e urbanismo e que permanecem igualmente espelho das profundas transformações que ocorreram no Renascimento ao nível de observação do mundo real e modo de o pensar e representar.

O seu mais importante tratado Da Pintura Antiga começou a ser redigido por volta de 1541, mal tinha chegado de Itália, e foi terminado em Lisboa em 1548. Da Pintura Antiga é um tratado de pintura dividido em dois textos: Da Pintura Antiga e Diálogos em Roma. Neste tratado, Francisco de Holanda enumera as ciências de que convém o pintor ter conhecimentos: Latim, Grego, Filosofia Natural, Teologia, História, Música e Matemática, Cosmografia, Astrologia, Geometria e perspetiva, Anatomia, sublinhando que deveria ter desta disciplina tantos conhecimentos como um cirurgião, escultura e arquitetura. Esta panóplia de saberes aponta o enciclopedismo com que concebia a atividade artística, que aliás é próprio dos pintores humanistas do Renascimento. Francisco de Holanda cita nos seus tratados Vitrúvio, Alberti, Sagredo, Durer, Serlio, Pomponio Gaurico, mostrando estar a par das últimas correntes de produção conceptual e prática da arte do seu tempo. 

Do tirar polo natural (1549) foi escrito por Francisco de Holanda em Santarém e surge como continuação dos dois volumes Da Pintura Antiga concluídos em 1548. Em 1563 o pintor português Manuel Dinis realizou a tradução para castelhano – Del sacar por el natural –, mas, pelo facto de não ter chegado a ser impresso, não é possível aferir do seu verdadeiro impacto. Em 1775, o manuscrito em castelhano estava nas mãos do escultor do Rei, D. Filipe de Castro, passando, a partir de 1800, a ser propriedade da Real Academia de Belas Artes de São Fernando, em Madrid.

Em vez do estudo direto da natureza, Holanda defende o estudo exclusivo das obras antigas onde já se encontrava a imitação seletiva perfeita da natureza. Neste sentido, Francisco de Holanda prefigura o academismo dos séculos XIX e XX porque foi a vontade de descobrir o cânone dos Antigos que conduziu à criação de coleções de esculturas da Antiguidade Clássica por toda a Europa. 

Francisco de Holanda parece nunca ter tido residência fixa, antes andando ao sabor das deslocações da corte e vária documentação localiza-o em Évora entre 1537 e 1545, em Santarém entre 1547 e 1549 quando acabava de escrever Da Pintura Antiga, em Almeirim, por volta de 1551 e 1570 e, entre 1571 e 1573, em Lisboa na freguesia de Santa Clara. É certo que passou o Verão de 1571 na sua quinta em Sintra, região que frequentava desde a juventude na companhia do infante D. Luís, percorrendo a Serra de Sintra a observar a natureza e os vestígios arqueológicos antigos que se iam redescobrindo. Foi no seu Monte em Sintra que, em 1571, terminou as suas duas obras: Da Fábrica que falece à Cidade de Lisboa e De quanto serve a ciência do desenho assim na paz como na guerra

O tratado de urbanismo A Fabrica que falece á cidade de Lisboa oferece uma lista de edifícios e obras arquitetónicas que eram necessários construir para enobrecer Lisboa, como um aqueduto, pontes e calçadas públicas, fortalezas e baluartes, chafarizes nas praças, igrejas e capelas, e palácios com jardins em terraços como os do Renascimento italiano. 

Apesar dos tratados serem claramente uma crítica ao estado das artes e da arquitetura em Portugal e de ser certo que Francisco de Holanda considerava a pintura italiana claramente superior, o seu desenho Roma Caída revela o pensamento de Francisco de Holanda. Partilhava com Pedro Nunes, D. João de Castro, João de Barros, Frei Heitor Pinto, e Camões, entre outros, a visão grandiosa e messiânica de Lisboa como a capital do V Império e não outras cidades antigas da Europa “que não dominam nem o Oriente nem o Ocidente como o faz Lisboa” (Da Fábrica que falece à cidade de Lisboa, cap. 3).

Da fábrica que falece à cidade de Lisboa, o primeiro tratado de urbanismo escrito na Península Ibérica, estava pronto e licenciado para impressão em 1576, oito anos antes da morte de Francisco de Holanda, mas por razões que se desconhecem, só vieram a ser publicados no século XIX o que só pode ter sido um grave prejuízo para o desenvolvimento das artes e da ciência em geral. Francisco de Holanda delineou a primeira teoria que introduziu a Filosofia na História da Arte, baseada em Platão e no neoplatonismo de Marsilio Ficino (1433-1499) e Cristoforo Landino (1424-1498). Foi o primeiro a descrever a atividade do pintor como “criar” (Pintura Antiga, I, 2). Mesmo Giovanni Paolo Lomazzo (1538-1600) e Federico Zuccaro (1540-1609) que produziram importantes textos de teoria da arte algumas décadas depois, não foram tão assertivos quanto Francisco de Holanda a reivindicar a liberdade criativa para a pintura de uma forma sem precedentes no século XVI. Esta visão da arte só vingou muito mais tarde e o valor incontornável da “ideia” veio a ser, muitos séculos depois, a base do pensamento tanto artístico quanto científico.

Ana Duarte Rodrigues

Obras

Holanda, Francisco de. Da Pintura Antiga. Lisboa: Livros Horizonte, 1984.

—. Diálogos em Roma. Lisboa: Livros Horizonte, 1984.

—. Do Tirar Polo Natural. Lisboa: Livros Horizonte, 1984.

—. Da Fábrica que Falece à cidade de Lisboa (Lisboa: Livros Horizonte, 1984)

—. De quanto serve a ciência do desenho assim na paz como na guerra (manuscrito)

Bibliografia sobre o biografado

Teixeira, António Moreira. A ideia não tem fim: para uma filosofia da História da Arte em Francisco de Holanda, Tese de Doutoramento em Filosofia apresentada à Universidade de Lisboa, 2002.

Moreira, Rafael. “Novos dados sobre Francisco de Holanda”, Sintria, (I-II, tomo 1, Sintra, 1982/83, pp. 619-692)

Deswarte, Sylvie. “Rome déchue”: décomposition d’une image de Francisco de Holanda (S.I.: s.n., 1990, pp. 97-181)

Deswarte, Sylvie. Ideias e imagens em Portugal na época dos Descobrimentos: Francisco de Holanda e a teoria da arte (Lisboa: Difel, 1992)Sylvie Deswarte-Rosa, Francisco de Holanda entre théorie et collection: “Tudo o que se faz em este mundo é desenhar” (Valladolid: Universidad, 2004)